Flanders Red Ale

 
 

    A Zuid-West-Vlaams Roodbruin é uma cerveja indígena de Flandres Ocidental, tipificada pelos produtos da cervejaria Rodenbach, estabelecida em 1820, mas com reflexo em tradições cervejeiras anteriores. Esta cerveja é envelhecida por até dois anos, muitas vezes em grandes tonéis verticais de carvalho que contêm as bactérias residentes necessários para azedar a cerveja. Antigamente, era comum tanto na Bélgica como na Inglaterra misturar-se cerveja envelhecida com jovem para equilibrar o azedume e a acidez presente na cerveja envelhecida.

Características

    Muitas vezes ocorre a mistura de cerveja de longo envelhecimento com jovens, refermentando na garrafa e aumentando a suavidade e complexidade, embora o produto envelhecido às vezes seja lançado como cerveja de connoisseur. A cerveja fica levemente azeda, ácida e com um frutado complexo, tornando-se um perfeito aperitivo, graças a sua alta refrescância. É conhecida como a Borgonha da Bélgica, sendo a mais parecida com vinho, do que qualquer outro estilo de cerveja. A cor marrom-avermelhada é proveniente do malte. O envelhecimento também escurece a cerveja. A Flanders Red é mais acética e os sabores frutados são mais reminiscentes de um vinho tinto do que uma Flanders Oud Bruin. Ela pode ser estocada, por um certo tempo, devido a presença na cerveja de ácidos lático e acético.

    Atualmente, temos no mercado brasileiro: Rodenbach Klassiek, Rodenbach Grand Cru, Rodenbach Vintage 2012, Duchesse de Bourgogne, Vichtenaar, Cuvée des Jacobins, Petrus Aged Red

    Parâmetros Básicos: 5-5,5% álcool em vol.; IBU=10-25 (sem flavor de lúpulo); SRM=10-16 (cor de vinho a marrom-avermelhada).