Pará

 

                   

                                                 (Estado do Pará)

 

 

    Conforme visto imediatamente acima, o Pará detinha, em 2011, o maior rebanho de bubalinos do país, com 485 mil cabeças. Só a Ilha do Marajó, possui cerca de 70% do total estadual, ou sejam 338 mil animais.

 

Ilha do Marajó

Localização

    Esta imensa ilha, tendo 40.100 km2, é dividida em 16 municípios que pertencem à entidade estatística do IBGE denominada Mesorregião MES-02 do Marajó. Por sua vez, a mesorregião é dividida em três microrregiões:

- Microrregião MR-06 do Arari: Cachoeira do Arari, Chaves, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, Soure;

- Microrregião MR-05 de Furos de Breves: Afuá, Anajás, Breves, Curralinho, São Sebastião da Boa Vista;

- Microrregião MR-04 de Portel: Bagre, Gurupá, Melgaço, Portel; apesar de não considerada, por alguns, como fazendo parte da Ilha do Marajó propriamente dita.

    Alguns municípios da Ilha do Marajó possuem os maiores efetivos bubalinos do país, notadamente: Chaves (1º), Soure (3º), Cachoeira do Arari (6º), Santa Cruz do Arari (8º), Muaná (11º), Ponta das Pedras (12º) e Salvaterra (18º).

    Sendo que, atualmente, os municípios de Soure e Cachoeira do Arari são os maiores centros produtores de queijo de leite de búfala do Pará.

 

Clima

    O clima da ilha, segundo a classificação de Köppen, é a do tipo tropical chuvoso, com precipitação média anual de 2.500 mm, temperatura média de 27ºC e umidade relativa de 85%.   A pluviosidade está distribuída em dois períodos distintos: de fevereiro a setembro (quando atinge o máximo) e de outubro a janeiro (menores índices). No entanto, o pico das chuvas ocorre de fevereiro a maio, fazendo com que até dois terços da ilha fiquem completamente alagados.

    Durante a entressafra, quando ocorre o período da seca (outubro a janeiro), a produção mensal é reduzida em 15% e, nos 85% restantes, a produção fica suspensa devido à baixa produção do leite de búfala.

 

História

    O queijo do Marajó vem sendo produzido na ilha, há mais de 200 anos. No início, era produzido exclusivamente com leite bovino, por famílias de fazendeiros portugueses e franceses residentes.

    Os búfalos, da raça Carabao, só foram introduzidos na Ilha do Marajó, em 1895, pelas mãos do fazendeiro Vicente Chermont de Miranda. Esses animais encontraram condições propícias para seu desenvolvimento, devido as pastagens naturais e campos inundáveis.

    Desde a década de 1930, quando o rebanho bubalino proliferou, começou a empregar o leite de búfala na fabricação do queijo marajoara, misturado ao leite bovino. Atualmente, o leite de búfala é de longe a principal matéria-prima.

    O criador João Batista Lima, foi o primeiro a explorar a búfala como produtora de leite, elaborando em suas fazendas dos municípios de Cachoeira do Arari e Soure, o Queijo do Marajó Tipo “Manteiga”.

    Nesta mesma época, o produtor Francisco de Castro Ribeiro, começou a inovar tecnologicamente a produção de queijo, importando da Holanda a primeira desnatadeira, originando o Queijo do Marajó Tipo “Creme”.

    No canto nordeste da ilha, onde fica o principal reduto produtor deste queijo, Soure e Salvaterra produzem apenas o tipo creme. Já em Cachoeira do Arari, haja visto que não há nenhuma queijaria com desnatadeira, só é elaborado o tipo manteiga.