Queijo Artesanal Serrano

 

Geral

  • História

        No século XVIII, com o fim das reduções e a expulsão dos padres jesuítas da América do Sul, pelos portugueses e espanhóis, o gado deles seria abandonado e vagaria sem dono sobre os campos de pastagens naturais do Sul do Brasil.

        A colonização da região ocorreu quando da concessão de sesmarias e o surgimento de grandes fazendas. A implantação das primeiras propriedades tinha como objetivo a ocupação do território pelos portugueses. Ela foi tremendamente facilitada pela existência de uma imensa reserva de animais de corte, abandonada pelos jesuítas. O povoamento das terras altas sulinas foi iniciado pelos portugueses e seus descendentes e, mais tarde, complementado por levas de imigrantes de origem alemã e italiana.

        A produção do Queijo Artesanal Serrano é muito antiga, com mais de 200 anos, datando possivelmente da época da ocupação territorial pelos lusitanos. Entretanto, no Rio Grande do Sul, mais precisamente na região dos Campos de Cima da Serra, os primeiros registros dele estavam em um oficío enviado ao Presidente desta então Província, em 1831, quando os pequenos pecuaristas pediram melhorias das estradas para escoamento dos produtos regionais, como queijo e manteiga.

        A fabricação deste queijo no Estado de Santa Catarina deve ter acontecido por volta da mesma época do seu vizinho.

        Durante o auge do ciclo do tropeirismo de gado, que vigorou fortemente durante o século XVIII até o ano de 1897, com o fim da feira de Sorocaba, o comércio destes animais em direção ao norte do país era uma atividade altamente rentável. A rota de tropeiros ligava, principalmente, os Campos de Cima da Serra e o Planalto Sul-Catarinense a São Paulo.

        Portanto, a grande maioria dos fazendeiros da região se interessava muito mais pela pecuária de corte, que possibilitava este comércio, do que com a produção de leite ou de queijo. Esta foi a oportunidade encontrada pelas famílias de agregados que viviam e trabalhavam nas fazendas, para iniciarem pequenas produções artesanais de queijo.

        Com uma tradição secular, e com uma receita tradicional, o "saber-fazer" do Queijo Serrano foi desenvolvido e passado de geração a geração, sendo hoje uma das principais fontes de renda das famílias de pequenos pecuaristas da zona serrana catarinense e gaúcha.