Queijo Kochkäse

 

Geral

  • História

        O Kochkäse é um queijo produzido pelos descendentes dos imigrantes alemães, oriundos da antiga região da Prússia, na maioria Pomeranos. Eram pessoas humildes, servos dos grandes senhores feudais que vieram ao Brasil em busca do seu pedaço de terra.

        Esses pequenos fazendeiros alemães colonizaram, principalmente no século XIX, a zona catarinense do Vale Europeu, no Vale do Itajaí, que veio a tornar-se a região mais alemã do Brasil. Eles começaram a chegar em 1828 e vindo em maior número após 1850.

        A criação do gado leiteiro deu certo, portanto produtos produzidos a partir do leite, faziam parte do conhecimento trazido na bagagem da antiga pátria. Uma dessas tradições é a presença do pão com Kochkäse nas festas familiares, nas festas de casamento e nas festas típicas como a Oktoberfest de Blumenau.

     

  • Origem do Nome

        O nome deste queijo, chamado regionalmente de "Kochkäse", que significa em alemão "Queijo Cozido".

 

Regiões Produtoras

    A região produtora está situada no chamado Vale Europeu, no Médio Vale do Itajaí, em Santa Catarina, abrangendo os seguintes municípios das seguintes microrregiões/mesorregiões:

- MR-12 Blumenau (MES-04 Vale do Itajaí): Blumenau, Indaial, Timbó, Pomerode, Benedito Novo;

- MR-08 Joinville (MES-02 Norte Catarinense): Jaraguá do Sul.

O Queijo

  • Legislação

    O Kochkäse ainda não tem uma legislação específica, seja a nível federal ou estadual. Entretanto, em 28/10/2011, foi dado entrada no IPHAN - Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, do pedido para se tornar patrimônio imaterial do Brasil. O pedido foi liderado pelo CIMVI -  Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí e apoiado pela EPAGRI - Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina e pela FURB - Universidade Regional de Blumenau e as Secretarias Regionais de Agricultura.

 

  • Características

    É um queijo branco cozido, feito de modo caseiro, sem pasteurização do leite, e por isso, não é regulamentado pelo Ministério da Agricultura para comercialização. O queijo é produzido de forma artesanal e vendido em feiras.

    O Kochkäse foi desenvolvido como uma maneira de aproveitar o queijo branco envelhecido, feito na cozinha dos imigrantes alemães. No processo original, o leite de vaca in natura era guardado em bacias feitas de barro, revestidas de esmalte, num armário protegido com tela para evitar contato com insetos. O leite, após dois a três dias de espera, coalhava e separava, na parte superior, a nata. Esta nata era removida e destinada à fabricação da manteiga. Posteriormente, a coalhada restante, era levemente aquecida e mexida com colher de pau, e enfim dependurada num saco de pano para escorrer o soro do queijo, e a parte seca era utilizada para a fabricação do queijo branco.

    Para evitar o azedamento do queijo branco, quando produzido em excesso, as famílias fazem o Queijo Cozido. O queijo branco excedente é maturado por mais dois ou três dias para que o queijo vire uma pasta de cor amarelada e um aspecto vitrificado, com cheiro forte e gosto azedo, estando pronta para ser cozida. O término de seu preparo consiste em colocar a massa numa frigideira, misturada com manteiga e creme de leite, e temperada com sal e grãos de cominho (opcional). Esta mistura deve derreter até que o queijo fique com uma consistência semelhante a de um requeijão e possa ser espalhado num pão.

 

Consumo

    O Queijo Cozido é muito consumido no café colonial catarinense, espalhado sobre uma fatia de pão preto. Na Alemanha, até hoje, na maioria das vezes, o Kochkäse resfriado é esfregado em uma fatia de pão, com ou sem "musik" (tempero de vinagre e picles de cebola).