Degustação de Nebbiolo

11/09/2011 00:00

 

 

Sabidamente, os tintos piemonteses da casta Nebbiolo estão entre os grandes tintos italianos. Assim sendo, a degustação às cegas da Confrarina de setembro de 2011, versou sobre vinhos desta variedade, todos eles da safra de 2004. A colocação dos caldos, segundo os confrades e as minhas respectivas notas, foram as seguintes:

 

Vinhos                                                                  JOA

1º Barolo Campè 2004, La Spinetta                           94,5

2º Conteisa Langhe 2004, Gaja                                 94

3º Barolo Pajana 2004, Domenico Clerico                  93

4º Barbaresco San Stefano di Neive, Bruno Giacosa   93

5º Barolo Arborina 2004, Elio Altare                          92

 

Comentários: Se tomarmos como base o Guida Gambero Rosso 2010, o mais conceituado guia de vinhos da Itália, deu a lógica. Pois, os dois tintos melhor colocados neste painel, são produzidos pelas duas vinícolas mais laureadas da “Bota”. Que são: a Gaja e a La Spinetta, respectivamente, com 4* (correspondendo a 45 “tre bicchieri” ou três copos recebidos por seus vinhos) e 3* (por seus 35 “tre bicchieri”). Nas demais posições ficaram os dois produtores da escola dita “modernista”, o Domenico Clerico (21 “tre bicchieri”) e o Elio Altare (28 “tre bicchieri”), inserindo-se entre os dois, um representante “tradicionalista”, o Bruno Giacosa (17 “tre bicchieri”). Relembrando, o estilo “modernista” favorece uma vinificação com menos tempo de maceração com as cascas, resultando em vinhos para serem bebidos mais cedo, que os tradicionalmente elaborados.