Texel

 

 

Finalidade: carne

Distribuição: Mundo

Origem: é originária da ilha de mesmo nome, na Holanda, cujo solo é em sua maioria arenoso, estando parte acima e parte bem abaixo do nível do mar, recebendo muita umidade. Por isso, a raça Texel suporta bem regiões úmidas. A vegetação da ilha era muito pobre e os antigos ovinos aí existentes eram de pouco desenvolvimento, tardios, pequenos, não eram prolíferos, de velo leve e lã de mediana qualidade, entretanto a sua carne era magra e saborosa. Em fins do século XIX e início do século XX, a ovinocultura da ilha enriqueceu as suas pastagens, graças ao emprêgo de adubação nos solos, melhorando a alimentação dos ovinos. Nesta mesma época, os criadores passaram a cruzar as antigas ovelhas locais com carneiros de raças inglesas. Segundo informações da região, provavelmente foram utilizados reprodutores Leicester, Border Leicester e Lincoln, além de alguns carneiros Southdown, Hampshire e Wensleydale. Entretanto, de todas as raças utilizadas, parece que a Lincoln é a que mais influenciou na formação do Texel. Depois de certo tempo de experiência de cruzamentos, os criadores voltaram a utilizar os reprodutores puros da antiga raça da ilha. Graças ao melhoramento da alimentação e ao trabalho bem orientado de um grupo de ovinocultores, que entre outros procedimentos empregaram um bem adequado método de seleção, surgiu na ilha uma nova raça Texel, tal como é conhecida atualmente. Recentemente ela foi introduzida no Brasil.

Descrição: apresenta tamanho médio a grande, é compacto, com massas musculares volumosas e arredondadas, constituição robusta, evidenciando uma aptidão predominantemente para corte. É rústica, prolífera e muito precoce e produz ótima carcaça, com reduzida quantidade de gordura. Aos 70 dias de idade, machos bem formados atingem 27 kg e as fêmeas 23 kg. Os carneiros atingem pesos de 110 a 120 kg e as fêmeas adultas 80 a 90 kg, já tendo ultrapassado tais pesos, os carneiros tratados já atingiram 160 kg e as ovelhas também tratadas, já atingiram mais de 100 kg. Atualmente é considerada uma raça de carne e lã, pois a par de uma carcaça de ótima qualidade e peso produz ainda apreciável quantidade de lã. É considerada uma raça paterna. Nos cruzamentos propicia melhor ganho de peso, precocidade para o abate e bom rendimento de cortes nobres. Ela tem apresentado boas respostas nos cruzamentos matrizes de Santa Inês. Nesta função, ela tornou-se a raça dominante na Europa.